GeoWeb

Design e Tecnologia.

Software Livre um bom negócio

| 0 comments

Muita gente ainda torce o nariz quando se fala em software livre, pura ignorância. Minha experiência própria aqui na USP, desde que implantei o Joomla pra administrar as páginas de conteúdo do portal, nunca o site caiu, nunca tivemos um problema de perda de conteúdo ou qualquer outro problema que fizesse com que o site ficasse off-line. Temos atualizações constantes e gratuitas do programa, e podemos ainda sim personalizar a nossa maneira sem interferir no core do sistema, mas isso não vem ao caso agora.

Enquanto muitas pessoas preferem comprar softwares e viver presos a determinadas ferramentas, outros preferem transformar softwares livres em forma de se ganhar dinheiro. Sim, se ganha dinheiro com software livre, tanto o cliente que o utiliza, quanto desenvolvedores que o fazem. Veja o vídeo abaixo que saiu no site do Pequenas Empresas Grandes Negócios.

Pequenas empresas economizam com o software livre

Software de graça à disposição das empresas. O software livre é fácil de operar e adaptável a qualquer computador. Empresários do setor de informática exploram a boa fase do mercado e investem na instalação deste tipo programa em diferentes empresas.

Um empresário aproveita o mercado promissor, e instala o software livre nas empresas. Em uma pequena empresa de saúde ocupacional apostou no software livre e melhorou os negócios. Os empresários José e Fábio Carvalho sempre pagaram pelas licenças de uso dos programas de computador. E tinham custo alto de manutenção, pois o sistema parava de funcionar quase todo mês.

“O sistema ficava parado, às vezes por dias. Eu não posso perder tempo, e tempo para mim é dinheiro”, avisa o empresário José Carvalho.

Os softwares livres são programas de computador que o usuário pode copiar pela internet e usar sem pagar licença de uso. Em 2001, os empresários decidiram mudar. E instalaram o software livre. O programa controla as datas dos exames médicos e o fluxo financeiro da empresa. Os empresários economizaram nas licenças de uso e nos programas anti-vírus. O novo sistema funciona tão bem que a empresa desativou o departamento de manutenção.

“A nossa empresa funcionou bem melhor com relação à agilidade e ao trabalho a ser executado. Isso ajudou bastante por ser uma empresa de pequeno porte. Nós podemos trabalhar e dar um bom atendimento aos nossos clientes”, explica Fábio Carvalho.

O presidente do Congresso Internacional de Software Livre (Conisli), Rodolfo Avelinno, explica o programa.

“O software livre é produzido de forma colaborativa por milhares de programadores em todo o mundo. Todos produzem um único software. Então, a possibilidade de ter vulnerabilidade de segurança fica minimizada, por isso que software livre tem menos vírus”, afirma.

Com o software livre, a empresa economiza R$ 40 mil por ano, em atualizações e manutenção. E a economia vira lucro. O dinheiro que sobra é investido em computadores, contratação de funcionários, anúncios e folhetos de divulgação. Tudo isso ajudou a empresa a aumentar o faturamento em 60 %, só no último ano.

Hoje a empresa tem o programa instalado em 25 computadores. Os funcionários estão adaptados e o trabalho ficou mais fácil e produtivo.

“Cada funcionário tem uma senha e acesso. Nós fazemos a parte de faturamento. Até hoje não tive nenhum problema”, diz a auxiliar financeira Adriana de Souza.

O empresário Mauro Zaffarani faz a instalação do software e dá treinamento. Segundo ele, o mercado disparou.

“A procura aumentou desde que nós entramos no mercado, há dez anos, quando havia a penetração do software livre de 1%. Em dez anos, hoje está em 22%”, ressalta Zaffarani. Na empresa de Mauro, o faturamento cresce entre 150 % a 200 % ao ano. E a grande responsável é a economia gerada pelo programa.

“Vamos imaginar uma pequena empresa que tenha dez funcionários. Entre licenças básicas de utilização de uma suíte de escritório, por exemplo, esta empresa gastaria em torno de R$ 20 a R$ 30 mil em licenças de software”, esclarece o presidente da Conisli.

Para Rodolfo Avelinno, existem mais vantagens. O software é fácil de operar e se adapta a qualquer programa. “O software livre, por ser um software de código tecnicamente aberto, permite que outras tecnologias sejam agregadas a ele”, ensina.

O mercado aquecido abre oportunidades de negócio. Segundo o empresário Mauro Zaffarani, com R$ 50 mil é possível abrir uma empresa de instalação do software livre. O dinheiro é para montar uma pequena estrutura com cinco computadores, dois servidores e mobiliário. A mão de obra é especializada.

“A tendência é um crescimento muito grande. Hoje a gente vê que o software livre está nas pequenas empresas, médias e grandes empresas”, avalia Zaffarani.

Comments

comments

Leave a Reply

Required fields are marked *.